Arquivo da categoria ‘HQs’

Correria foda nesse outubro de 2012: entre uma facultice e outra, tivemos o retorno chutador de bundas de THE WALKING DEAD, a estreia digna de ARROW – nova serie da Warner, que contará os primeiros anos de Oliver Queen como o Arqueiro Verde- alem do lançamento de um novo (e pelo que dizem, excelente) filme do 007, agora com direção do meu queridíssimo Sam Mendes (Beleza Americana).

Não comprei tantos quadrinhos nesse mês, mas sacolei o belo encadernado em capa-dura de Batman – O Filho do Demônio, uma saga clássica há tempos não republicada aqui, e altamente recomendada para os fãs da Morcega.

Ganhei da minha irmã dois livro-jogos muito roots do Ian Livingstone: A Cidade dos Ladrões e o A Cripta do Feiticeiro, a propósito: já morri nos dois!!! Mó frustração ler o negócio por horas e morrer por tentar ser bonzinho e salvar um velhinho de uma surra…

Meu TCC está estagnado, preciso terminar essa porra. O miolão já tá feito, falta só a Introdução, a Conclusão e a formatação da ABNChata.

Fora isso, tive alguns dias realmente incriveis, outros deploraveis, mas c‘est la vie

Ah sim: to com uma boa ideia pra um livro, vamos ver se vira alguma coisa 😉

Agosto (por enquanto)

Publicado: 19/08/2012 em besteiras, cinema, HQs, vida

O retorno à facul faz com que o tempo volte a correr como Usain Bolt, me forçando a iniciar a  produção propriamente dita do famigerado TCC sobre quadrinhos. Quanto aos estágios obrigatórios… acho que vou deixar pro ano que vem mesmo.

Não fui pro cinema desde o RISES, acho que agora só na estreia do já clássico MERCENARIOS 2 na sexta que vem.

Sobre o reboot da DC no Brasil, é dificil ter um mix com todas as histórias boas, o que chega mais perto disso é DARK (com as revistas Justice League Dark , Swamp Thing , Animal Man , Resurrection Man e I Vampire) e Lanterna Verde (cujo reboot não aconteceu de fato), tambem curti o inicio desse arco da Corte das Corujas (que salva o mix mensal do Batman), e tô acopanhando a do SUPERMAN, que até agora não emploga, mas tambem não desanima a ponto de largar.

Pelo lado MARVEL da força, li o arco ULTIMATE FALLOUT, publicada parcialmente na revista ULTIMATE MARVEL #25, com a trágica morte do jovem Peter Parker do universo Ultimate num duelo contra seu arqui-rival, o Duende Verde. Após o fim de Parker, entrará em cena Miles Morales, o novo Homem-Aranha, cujas primeiras aventuras devem ser publicadas aqui no Brasil já em setembro desse ano…

Por ora é isso, bom, não SÓ isso… tem muitas questões passando na minha cabeça agora alem da cultura pop, mas deixo isso para os próximos posts com versinhos enigmáticos e contos metafóricos para evitar futuras complicações.

Câmbio, desligo!

Like a Dog Chasing Cars

Publicado: 30/07/2012 em besteiras, HQs
Tags:, ,

A seguir, um video tosco que fiz ontem, na empolgação pré-TDKR…

As provas acabaram e estou virtualmente de férias agora. Porem, no semestre que vem, o último do curso, devo produzir meu Trabalho de Conclusão, cujo tema será o potencial pedagógico da Arte Sequêncial nos processos de alfabetização, letramento e aprendizado.  Já separei alguns titulos e autores que pretendo utilizar em minha pesquisa, cuja relação você confere abaixo:

1#Scott McCloud

Sou fã desse cara. McCloud é um dos mais famosos teóricos dos quadrinhos da atualidade. Em seus trabalhos de maior destaque  (Desvendando os Quadrinhos  e Reinventando os Quadrinhos), o autor esmiuça todo o processo histórico, narrativo e semiótico das HQs, defendendo-o como uma forma autônoma de literatura e arte. E ele faz isso da forma mais épica possivel: dentro da linguagem quadrinística. Recomendado tanto pra entusiastas como para leigos no assunto, Scott McCloud fará você enxergar os quadrinhos de uma outra forma.

#2 – Will Eisner

É rei, ponto.

Um dos grandes responsaveis pelo desenvolvimento do gênero como Arte (com A maiusculo), Eisner  ensinou Técnicas de Quadrinhos na Escola de Artes Visuais de Nova York, e escreveu obras fundamentais na criação de histórias em quadrinhos: Os Quadrinhos e a Arte Sequencial  e A Narrativa Gráfica, trabalhos que eu certamente farei uso em meu TCC.

#3- Alvaro de Moya

Álvaro de Moya é jornalista,escritor, produtor, ilustrador e  diretor de cinema e televisão. É considerado por alguns como o maior especialista em HQs do Brasil.

Professor aposentado da USP, foi um dos organizadores da Primeira Exposição Internacional de história em Quadrinhos , em 1951, na cidade de São Paulo. Além de ser a primeira exposição de quadrinhos da história do Brasil, foi de ineditismo também para o mundo.

Seu livro, Shazam!, de 1970, é, sem sombra de dúvida, o maior livro sobre quadrinhos do país. O livro não se resume apenas a fazer um pesquisa sobre a história dos HQs, mas conta com a colaboração de especialistas que debatem acerca da influência pedagógica e psicológica dos quadrinhos e a sua influência na  cultura, tratando as HQs não somente como puro entretenimento, mas sim como um  meio de comunicação que merece atenção por parte dos acadêmicos.

a CARA do Dr Albieri

4#Paulo Ramos

Jornalista, professor e consultor de língua portuguesa, Paulo  Ramos é doutor em língua portuguesa pela USP (Universidade de São Paulo), fez Jornalismo na UMESP (Universidade Metodista de São Paulo) e também Letras pela PUC-SP.

Desde 2004, ele é docente da Universidade Metodista de São Paulo. Paulo já deu aulas também na USP-Leste e é atual integrante do Núcleo de Pesquisas de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP.

Paulo Ramos é dono do Blog dos Quadrinhos (vejam, é muito bom!) e também vencedor do Prêmio HQMix como “melhor articulista” sobre Quadrinhos. Seu blog também foi premiado como “melhor Blog” da área. Separei dois livros dele para meu TCC: A Leitura dos Quadrinhos e Muito Alem dos Quadrinhos. Ambos focam no aspecto teorico-pedagógico das HQs, tema que escolhi abordar em minha pesquisa.

É isso aí. Esses serão os pricipais autores e alguns de seus livros que usarei em meu TCC.  Espero que fique épico!!! Quem sabe não pego gosto pela coisa e um dia acabo ingressando nesse tal Núcleo de Pesquisas de Histórias em Quadrinhos da ECA. Seria foda…

Lançado na madruga deste 1° de maio, o trailer final  de The Dark Knight Rises, ultima parte da fantástica trilogia de Nolan com o Homem- Morcego. Confira comigo no re-play!!!

_

WOW!!!  Ataque ao avião, explosão do campo de futebol, destruição de pontes , Batman fudido, Mulher Gato sendo gostosa e o Batwing. Ao que tudo indica vão tocar o puteiro em Gotham com mais um filmaço do genial Christopher Nolan. E que venha julho…

Tudo começou com um migué nos pós-créditos de Homem de Ferro. A pequena participação de Samuel L. Jackson como Nick Fury convidando Tony Stark à Iniciativa Vingadores fez milhares de fãs delirarem com a possibilidade de ver seus heróis favoritos reunidos num único filme.

Comprada a idéia, a MARVEL Studios lança um reformulado e frenético novo filme do HULK,  apresenta sua versão cinematográfica de THOR e  Cap. América, alem de uma boa sequência de Homem de Ferro, já na intenção anunciada de junta-los TODOS no seu projeto dos sonhos: AVENGERS ASSEMBLE!!!

De 2008 pra cá (um pouco antes disso na verdade…), o genero “super-herói” se tornou um dos mais rentáveis da indústria cinematográfica, renovando e democratizando a paixão pelos ícones da cultura quadrinística, tornando o mundo todo um pouco mais nerd e portanto um lugar melhor.

Daí vem 2012 com todos numa pilha inacreditavel pra assistir o resultado desse arriscado projeto. Afinal em mãos erradas, VINGADORES poderia virar uma galhofada pior que o Metro Zorra Brasil. Felizmente, não foi o caso. O escolhido para dirigir o filme foi um cara que gosta e entende de quadrinhos, e que com muito amor (e alguns milhões de dólares) conseguiu realizar uma parada que explodiu todos os limites que o epicness pode atingir, ele nos trouxe o nirvana nerd em forma de filme.  Joss Whedon, tu é o cara!

Juntar e fazer funcionar numa narrativa de 2 horas tantos personagens tão emblemáticos e de forma tão equilibrada não deve ter sido uma experiência fácil. Muitos brincavam que o filme dos Vingadores seria um “Tony Stark e seus amigos”, devido ao inegavel carisma e presença de tela de Downey Jr, mas Whedon conseguiu balancear a importância do Homem de Ferro até com a do (até então subaproveitado) Gavião Arqueiro e isso, meu querido leitor, é digno de nota.

Isso não significa que Tony Stark tenha perdido sua habilidade de trollar todo mundo, na realidade o Ferroso vem mais sarcástico do que nunca. Aliás, o humor é um dos grandes acertos deste filme. O diretor não deixou que o peso da marca Vingadores tornasse o filme sério demais, pontuando momentos de tensão com alívios cômicos geniais.

Espere por sequências de combate absolutamente épicas, dialogos ágeis e diversão, muita diversão. Vingadores é minha recomendação máxima!!!

Nota 10/10

E lá se foi janeiro. Li,vi e ouvi muita coisa boa neste primeiro mês do ultimo ano de nossas vidas, entre elas destaco uma graphic novel sensacional,um clássico desconhecido da literatura e um remake muito melhor que o original. Bora lá?

Daytripper

Há muito ouço falar dos trabalhos dos irmãos Fabio Moon e Gabriel Bá, dois quadrinistas paulistanos que em 2010 publicaram uma premiada série, lançada a pouco tempo pelo selo Panini Books aqui no Brasil, estou falando (como você já deve suspeitar pelo subtitulo acima) de Daytripper.

Daytripper conta a vida e a obra de Bras de Oliveira Domingos, um escritor de obituários que almeja um dia começar a sua vida “de verdade”. Um quadrinho que vai te trazer algumas reflexões sobre a fragilidade e a beleza da vida, e que nos belos traços e ágil roteiro dos irmãos Fabio e Gabriel ficarão marcados na sua memória por um tempo.

Aqui no brasil ele foi lançado em duas edições: uma edição para fidalgos em capa dura, disponivel em livrarias e comic-shops por uma média de R$50,00 e uma edição economica, mas igualmente completa, vendida nas bancas por R$23,90. Vale muito a pena!

Fahrenheit 451

Estava eu de boa numa livraria daqui de Sorocaba, quando começo um animado papo sobre quadrinhos com um vendedor. Eis que  pergunto ao nobre comerciante sobre a graphic novel de Fahrenheit 451, e me espanto ao descobrir que na realidade a HQ era baseada num livro de 1953, que acabei por comprar e devorar num espaço de dois dias.

Imagine um mundo onde todos os livros são proibidos, a midia de massa evoluiu a tal ponto que as telas de TV são verdadeiras paredes que aprisionam o telespectador num simulacro de vida, conversações são cada vez mais raras  e até o simples ato de pensar é visto com medo e respondido com violência (e fogo) pelas autoridades. É neste futuro distópico que o americano Ray Bradbury cria sua visionária trama com incontaveis pararelos  com a nosso atual estilo de vida, cada dia mais impessoal, massificado e vigiado por centenas de minorias que se sentem ofendidas ao menor sinal de pensamento critico. Leia,leia,leia!

Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Pra fechar minhas recomendações mensais, o novo filme de David Fincher, baseado na trilogia do escritor Stieg Larsson, consegue superar com folga a adaptação sueca de 2009, tanto em ritmo quanto em atuações fortes. Uma intricada história de investigação com desdobramentos imprevisiveis. Um filme claustrofóbico, cerebral e imperdivel. Nota 9/10.

Abaixo a incrivel e estilosa abertura deste filmaço!

Low Battery

Publicado: 21/09/2011 em HQs, meme's

Acontece sempre!

Publicado: 21/09/2011 em HQs, meme's

HELLBLAZER – Origens

Publicado: 18/09/2011 em HQs

John Constantine, o exorcista mais filhadaputa dos quadrinhos começou como um personagem secundário numa das histórias do Monstro do Pantano, na celebre fase de Alan Moore. Não demorou muito para que ganhasse revista própria, em 1988: HELLBLAZER, pelo selo VERTIGO.

No Brasil, HELLBLAZER#1  foi lançado na revista Monstro do Pantano #12, em 1990 pela editora Abril, passando atraves dos tempos  por mais de 6 editoras diferentes, com sua cronologia toda quebrada em arcos incompletos e outros tantos até inéditos. Em 2009, a editora Panini adquire os direitos de publicação do selo VERTIGO, prometendo colocar a casa em ordem, nos brindando agora com a republicação das primeiras aventuras de Constantine intitulado: HELLBLAZER – Origens , um belo encadernado contendo as 6 primeiras edições da revista, com roteiros de Jaime Delano que deu inicio as desventuras do inimigo n°1 do Inferno.

Fã de quadrinhos ou não , HELLBLAZER – Origens  vale a sua leitura.